Quinta-feira, 21 de Setembro de 2017

Última Atualização do site:  

20/09/2017 14:53:15

HISTÓRIA DA CÂMARA
 
Ata da 2ª Reunião de Vereadores da Câmara Municipal de São João do Triunfo 18 de dezembro de 1947
ata-02-1947

Ata da 2ª Reunião de Vereadores da Câmara Municipal de São João do Triunfo
18 de dezembro de 1947

 
 
Ata da 1ª Reunião de Vereadores da Câmara Municipal de São João do Triunfo 04 de dezembro de 1947
ata-01-1947

Ata da 1ª Reunião de Vereadores da Câmara Municipal de São João do Triunfo
04 de dezembro de 1947

 
 
Termo de Abertura de Livro de Atas e Termo de reunião da Câmara aos quatro dias do mes de dezembro de 1935, em sessão para a instalação da Câmara do município e a eleição de sua mesa.
ata-1935-06
ata-1935-05
ata-1935-04
ata-1935-03
ata-1935-02
ata-1935-01
Termo de Abertura de Livro de Atas e Termo de reunião da Câmara aos quatro dias do mes de dezembro de 1935, em sessão para a instalação da Câmara do município e a eleição de sua mesa.
 
 
Transcrição da Ata de Eleição para Deputados à Assembléia Constituinte Legislativa do Estado, Governador e vices-governadores, aos vinte e cinco dias do mês de janeiro de 1892.

Transcrição da Ata de Eleição para Deputados à Assembléia Constituinte Legislativa do Estado, Governador e vices-governadores, aos vinte e cinco dias do mês de janeiro de 1892.

 
 
Nossa História
cruzeiro
igreja_matriz

São João do Triunfo tem sua história ligada ao contexto da navegação do rio Iguaçu, à imigração polonesa, italiana, árabe e alemã, e às atividades dos tropeiros que viviam e passavam pelo município. A zona rural de São João do Triunfo foi estruturada até 1970 a partir das formações de sistemas faxinais e de pequenas propriedades de colonos imigrantes.

Pela história oficial, a base do povoamento de São João do Triunfo começou no ano de 1864, quando o Sr. João Nunes de Souza, até então morador de São José dos Pinhais, ali se estabeleceu. Com ele foi toda a família. Desbravaram a região, lançaram sementes na terra, abriram picadas na mata e fizeram propaganda para atrair outras pessoas. Uma comunidade foi gradativamente se formando, a qual recebeu o nome de Rio da Vargem. O povo do lugar construiu uma capela, na qual foi colocada a imagem de São João Batista. Muitas casas foram sendo construídas ao redor da pequena igreja. Em pouco tempo a denominação do povoado foi alterada. O santo padroeiro e o triunfo obtido pelos ousados desbravadores da região de Rio da Vargem contribuíram para a composição do novo nome.

Porém, antes mesmo do estabelecimento de imigrantes, principalmente de poloneses no final do séc. XIX, e da navegação do rio Iguaçu, com a formação de importantes portos no contexto regional e estadual, como o Porto da Vila Palmira e Porto Feliz, a região onde hoje se encontra o município de São João do Triunfo já era habitada por caboclos e índios que sobreviviam da agricultura de subsistência, da caça e da pesca.

O estabelecimento de colônias de imigrantes, juntamente com a navegação do Rio Iguaçu, e as populações caboclas dão a São João do Triunfo uma diversidade cultural e uma multiplicidade de manifestações religiosas e de apropriação de espaços dentro do município. Desta forma, é importante destacar a heterogeneidade da população que constitui seus espaços dentro do município e entendê-la dentro de um processo histórico de constante reelaboração.

Em 16 de março de 1871 pela Lei Provincial no. 254, São João do Triunfo foi elevada à categoria de Freguesia. Em 08 de janeiro de 1890, pela Lei Estadual no. 13, foi criado o município de São João do Triunfo com território desmembrado do município de Palmeira. Atualmente, o território do município abriga o distrito de Palmira. Palmira recebeu foros de município em 10 de abril de 1909, através da Lei Estadual no. 874, tendo sido mais tarde anexado a São João do Triunfo.

Em 1891 instalou-se o núcleo colonial de Palmira com imigrantes poloneses. A colônia compunha-se de 88 lotes rurais agrupados em dois núcleos: o de Rio dos Patos e o de Bromado. A economia de Palmira baseava-se na indústria extrativa vegetal - erva mate e madeira - na produção agrícola e na sua condição de porto fluvial.

Segundo o recenseamento de 1890, o Município de São João do Triunfo contava com 5.789 habitantes. No recenseamento de 1900, o município possuía 11.938 habitantes. O censo de 1920 computa o elemento estrangeiro por município. Nesta ocasião o Município de São João do Triunfo contava com 9.042 habitantes, destes 220 estrangeiros, e o Município de Palmira 2.423 habitantes, dos quais 290 eram poloneses. No censo de 1950, os municípios de São João do Triunfo e Palmira já aparecem unificados com um total de 10.850 habitantes.

Na década de trinta, São João do Triunfo era considerado um dos municípios mais ricos da região. Situado à margem direita do Rio Iguaçu, possuía importante porto fluvial de embarque e desembarque: Porto Feliz. Sua principal fonte de renda era a erva mate, no entanto, produzia também cereais (milho, feijão e trigo) e exportava madeiras de pinho e imbuia. Diversos estabelecimentos comerciais e industriais encontravam-se em funcionamento na sede do município: coletoria, cartório, tabelionato, colégio, padaria, farmácia, açougue, alfaiataria, sapataria, olaria, marcenaria e oficinas de carpintaria. Destaque eram as sete serrarias e os dois moinhos de cereais do município.

Nesta mesma década, Palmira, outro importante porto fluvial, apresentava uma infra-estrutura de destaque. Contava com: hotel, casas comerciais, clube social, igreja, farmácia, cartório, correio e câmara municipal. Na praça havia um coreto onde, nos finais de semana, a banda local tocava. A construção da estrada de rodagem de Palmeira até São Mateus do Sul fez, entretanto, que entrasse em decadência.

A navegação no Rio Iguaçu, fator preponderante para o desenvolvimento de São João do Triunfo e Palmira, teve início em 1882. Através de concessão imperial (Decreto no. 7248/1879), o Sr. Amazonas de Araújo Marcondes (Coronel Amazonas) estabeleceu uma linha de navegação entre Porto Amazonas e Porto União. O primeiro navio a percorrer este trecho foi o vapor "Cruzeiro", que fez sua primeira viagem em 27 de dezembro de 1882.

A navegação possibilitou o povoamento das margens do rio e o escoamento dos seus produtos. De Porto União os produtos eram levados, via estrada de ferro para o porto marítimo de São Francisco. Em março de 1915 fundou-se a "Lloyd Paranaense", empresa de navegação fluvial. Vinte e seis embarcações a vapor transportavam passageiros e cargas sobre as águas do rio Iguaçu e seus afluentes. A sucesso da empresa "Lloyd" levou-a a expandir suas agências em diversas localidades, entre elas, Vila Palmira e Porto Feliz, em São João do Triunfo.

Com a extinção, na década de 1950, da última empresa de navegação que atuava no rio Iguaçu, o tráfego fluvial foi superado pelo rodoviário. As localidades que se estabeleciam em torno dos portos fluviais e que viviam principalmente em função do rio, como foi o caso do Município de São João do Triunfo, procuraram outras alternativas para a sua sustentação econômica.

Até 1950 o município tinha várias fábricas (cervejaria, gasosa) que faliram ou simplesmente foram fechadas logo depois que o porto foi desativado. Hoje a economia do município está toda centrada na agricultura. A fumicultura começou a ser praticada em São João do Triunfo em 1959. Em nenhum momento a cultura do fumo no município teve redução, sempre foi expandindo a sua produção. Atualmente existem, aproximadamente, 900 produtores de fumo, que em parceria com 6 empresas produzem em média 4.000 toneladas de fumo por ano.

Foto 1: Igreja São João Batista
Foto 2: Vapor Cruzeiro
Texto: Inventário Turístico de São João do Triunfo - Junho/2003
PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO JOÃO DO TRIUNFO - UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

 
 
 

HORÁRIO DE ATENDIMENTO - DE SEGUNDA À SEXTA-FEIRA DAS 08:00 ÀS 12:00 HRS E DAS 13:00 ÀS 17:00 HRS.

Rua Alipio Antunes Ferreira, 110 - Centro

Cep: 84150-000 - São João do Triunfo - Paraná

(42) 3447.1552 / 3447.1014 / 3447.1015

cmtriunfo@ibest.com.br